Instituições de saúde

Transformação digital na saúde e 5 tecnologias essenciais

8 de Março de 2022

• Tempo de leitura: 10min

Voltar

Você quer incentivar a transformação digital na saúde? A união de ciência e tecnologia está criando uma nova era de cuidados em saúde. Com um ritmo acelerado de mudanças, essa junção tem capacitado consumidores a terem maior controle sobre alguns aspectos básicos da sua saúde, ao mesmo tempo em que revoluciona os processos das instituições para que possam realizar atendimentos muito mais complexos e necessários.  

Com os dados, a colaboração entre diferentes times e até mesmo do paciente tem se tornado um diferencial na quebra de paradigmas nesse setor. Isso já está transformando as relações de negócio na saúde, bem como o atendimento ao paciente, gerando melhores resultados e oferecendo novas formas de cuidado. 

Com as grandes possibilidades de mudanças a partir da chegada da transformação digital, é hora das instituições de saúde se organizarem para priorizar o que será feito por primeiro. Assim, definir estratégias, criar iniciativas e promover uma cultura digital nas instituições faz toda a diferença na implementação de processos inovadores.  

Nesse texto vamos falar sobre 5 tecnologias essenciais que as instituições devem ficar para promover a transformação digital na saúde e como alguns pilares desse conceito ajudarão você a revolucionar os processos da sua organização e o atendimento aos pacientes. Continue a leitura!  

Desafios para a transformação digital na saúde 

Incentivar a transformação digital na saúde não é um processo simples. Muitos acreditam que adotar tecnologias é o suficiente para promover a transformação digital, mas isso não é uma realidade. A tecnologia é, sim, extremamente importante nesse processo, mas outros fatores também são essenciais para que sua implementação valha a pena.  

Talvez, em algum momento da sua vida, você tenha feito uso dos serviços de alguma clínica ou hospital e não tenha percebido que a transformação digital já estava presente naqueles processos. Isso porque seu atendimento foi tão prático, eficiente e tudo ocorreu tão bem que você nem notou que muitos processos estavam envolvidos em um simples atendimento.  

A transformação digital na saúde fala justamente sobre isso: melhorar a eficiência operacional para tornar os fluxos mais simplificados, transformando a mentalidade das empresas com o objetivo de acompanhar não só as transformações tecnológicas, mas também as novas demandas e necessidades dos pacientes.  

E esse pode ser justamente um dos grandes empecilhos nas instituições de saúde: focar apenas em um compilado de tecnologias, não tendo um objetivo traçado e sem levar em conta aspectos essenciais para manter a segurança e experiência do paciente durante toda a sua jornada dentro do hospital.  

Além disso, a resistência às mudanças também pode ser um grande problema. Os profissionais da área da saúde podem ser, por vezes, muito fechados às transformações propostas ao mesmo tempo que essa área é uma das que mais se beneficiam com o uso de tecnologia. Nesse aspecto, promover uma cultura voltada à análise de dados e que pauta sua tomada de decisão em informações concretas pode fazer toda a diferença no dia a dia da equipe assistencial e também dos pacientes.  

Os pilares da transformação digital na saúde  

Como falamos acima, a implementação de tecnologia é muito importante na transformação digital na saúde, mas ela não representa tudo. Para promover um pensamento voltado a esse conceito, algumas medidas são necessárias. Assim, são pilares que sustentam a transformação digital na saúde:  

Alinhamento de negócio 

A implementação da transformação digital na saúde impacta desde a equipe assistencial até o jurídico de uma instituição de saúde. Saber como cada ponto irá afetar individualmente os times e como eles irão trazer benefícios para a equipe, entendendo seu propósito, é um dos pilares que sustentam a transformação digital na saúde. 

Uso de tecnologia e automação extrema 

Se um processo pode ser automatizado, então ele deve ser automatizado. Isso significa que sempre que algo puder ser feito mecanicamente, ele não depende de uma ação humana estratégica, o que apenas toma tempo dos profissionais que poderia ser revertido em outro trabalho. Além disso, os indicadores gerados nos processos automatizados podem melhorar muito o trabalho da gestão e do atendimento nessas instituições. 

Pensar na experiência do paciente 

Os pacientes estão no centro da transformação digital na saúde. Antes de aplicar qualquer solução, pense em como isso irá impactar seus pacientes, onde ele irá realizar cada ação proposta pelo seu novo modelo de processo e como será sua satisfação após usar os seus serviços.  

Mudança de cultura organizacional 

As mudanças da tecnologia acontecem muito rapidamente e estão em constante transformação. Nesse sentido, a instituição precisa adotar um olhar menos conservador em relação à transformação digital na saúde, prezando por uma equipe que reconheça a melhoria de processos como algo essencial no cuidado ao paciente.  

Interoperabilidade  

Interoperabilidade significa todas as operações feitas de forma conjunta. Ou seja, a partir desse princípio, é possível trabalhar de forma integrada e simultânea, definindo normas padrão. A interoperabilidade permite a conexão de diferentes tecnologias, implementando regras padronizadas para que o processo seja seguido. Na saúde, a interoperabilidade permite uma troca de dados entre ferramentas utilizadas para melhorar o cuidado ao paciente.  

5 tecnologias indispensáveis no processo 

Muitos dos problemas enfrentados pelo paciente no dia a dia das instituições poderiam ser resolvidos de forma muito mais eficiente com o uso inteligente de tecnologia aplicada à saúde. As tecnologias que citaremos abaixo já são uma realidade dentro de muitos hospitais e, se a sua instituição ainda não adotou nenhuma delas, é hora de se atualizar.  

  1. Big Data: Na era digital, todos os processos automatizados são guiados por dados. Nesse sentido, algumas ferramentas são capazes de processar e coletar uma grande quantidade de dados para fazer análises inteligentes. O big data faz esse trabalho, extraindo informações necessárias, permitindo a organização e comparação das informações.  
  1. Machine Learning: O Machine Learning, ou aprendizado de máquina, permite que as máquinas compreendam a linguagem humana e interpretem dados, tomando decisões por conta própria, sem que seja necessária a intervenção de um profissional. 
  1. IoT (Internet das Coisas): O IoT permite que dispositivos e equipamentos se conectem e coletem dados dos pacientes, permitindo uma visão mais ampla dos problemas. Além disso, ela permite a automação de máquinas para que a inteligência computacional seja aplicada e para que tudo funcione de forma automatizada, conectando equipamentos à distância com autonomia. 
  1. Computação em nuvem: O armazenamento físico nas instituições de saúde pode se tornar uma dor de cabeça muito grande. O uso da computação na nuvem substitui o armazenamento físico de informações e dados dos pacientes, eliminando também o uso de servidores.  
  1. Process Mining: A tecnologia faz a extração de dados dos sistemas utilizados por instituições de saúde, como prontuários eletrônicos e ERPs, para identificar ineficiências como desperdícios, gargalos e retrabalhos ao longo da jornada do paciente, por exemplo. Com essa identificação, a solução oferece insights para garantir confiabilidade à tomada de decisão.
5 tecnologias para a transformação digital na saúde

Por que começar com Process Mining?  

A organização de todos os processos que englobam uma instituição é um passo primordial na transformação digital na saúde. Isso quer dizer que priorizar uma solução que melhora a gestão de processos é crucial no trabalho de implementação da transformação digital. Isso porque, além de permitir um entendimento amplo sobre os processos organizacionais, Process Mining permite uma visão de toda equipe sobre os fluxos analisados, participando de forma ativa de uma mudança organizacional, democratizando o acesso a informações.

A partir das informações extraídas de ERPs dos hospitais, a plataforma cria modelos de processos reais de maneira automática. Esses processos são comparados com modelos previamente estabelecidos, a fim identificar e diagnosticar ineficiências e problemas no processo. Depois, com todos os dados mapeados, a instituição consegue obter insights para promover melhorias dentro da instituição de saúde. 

A tecnologia de Process Mining relaciona aprendizagem de máquina e mineração de dados, permitindo esses insights mais inteligentes. No entanto, diferentemente de uma plataforma de Business Intelligence (BI), Process Mining garante um nível de análise muito mais aprofundado dos dados, não apenas apontando a existência do problema, mas também revelando a causa raiz da sua origem, evidenciando ineficiências e ofensores.  

Quer saber como iniciar o processo de transformação digital na saúde com uso de Process Mining? Nossos especialistas estão sempre prontos para ajudar você. Clique no link e saiba mais. 


Postagens Relacionadas