Quais os desafios na análise do percurso assistencial dos pacientes?

O percurso assistencial do paciente representa todas as etapas e experiências de um indivíduo, desde a identificação de um sintoma, tomada de decisão para realização de uma consulta, realização de exames, procedimentos, utilização de medicamentos até o desfecho. Os percursos – termo também conhecido como Jornada dos Pacientes – apresentam características desafiadoras quanto a complexidade, flexibilidade, redes colaborativas de especialistas, necessidade de informações precisas, fatores tecnológicos e econômicos que aceleram a evolução contínua.


Conheça alguns dos desafios:

Alta flexibilidade – Os pacientes geralmente possuem diferentes condições (cardíacas, gravidez, alergias) e os médicos precisam lidar com incertezas durante o tratamento, como resultados inesperados, reações adversas a medicamentos, insuficiência cardíaca, entre outras complicações. Os processos de cuidado ao paciente se desviam do caminho padronizado, a fim de acomodar os requisitos ditados pelas condições médicas do paciente ou pelas condições locais da organização de saúde.

Tomada de decisão complexa – Embora o conhecimento médico utilizado no processo de decisão venha de contribuições publicadas, diretrizes médicas (com diferentes níveis de evidência e validações), é geralmente aceito que o processo decisório é profundamente influenciado pelo conhecimento e experiência dos especialistas médicos envolvidos. Altos níveis de autonomia são atribuídos aos especialistas, o que resulta em uma alta capacidade de resposta em situações críticas.

Rede de especialistas – Embora uma especialização permita adquirir conhecimento profundo dentro de uma disciplina médica específica, isso também torna praticamente impossível para um especialista executar todas as atividades no melhor caminho clínico de cuidado. Consequentemente, as jornadas são predominantemente realizadas por uma rede de colaboração entre especialistas médicos, todos com altos níveis de autonomia para decidir sobre seus procedimentos de trabalho. A análise das jornadas permite a coordenação entre especialistas médicos e suas atividades específicas.

Alta necessidade de informação – Dentro dos caminhos clínicos, as informações precisam ter altos níveis de precisão e disponibilidade. As informações específicas e situacionais dos pacientes são cruciais para os processos de tomada de decisão. Consequentemente, uma grande variedade e quantidade de informações do paciente devem ser trocadas entre os atores, tanto para um paciente (instância na trajetória), quanto entre grupos de pacientes com diagnósticos relacionados.

Evolução contínua – Uma forte comunidade acadêmica, insights baseados na análise de dados históricos e desenvolvimentos da tecnologia em saúde, contribuem para um ambiente que demanda evolução contínua das práticas médicas e dos percursos assistenciais. Além disso, a necessidade de aumentar a competitividade e eficiência nos serviços médicos prestados, agravados por fatores como o aumento da longevidade (envelhecimento populacional) e pressões econômicas do governo para contensão de gastos em saúde. Outro ponto que acelera esta evolução está na transformação do modelo de gratificação, onde o pagamento por volume de serviços passa a dar espaço para novos modelos baseado em valor.

Quer saber mais? Fale conosco e conheça UpFlux Healthcare.

Referências

Stead WW, Olsen AJ, Benner SA, et al. An essential infrastructure for increasing the competitiveness of healthcare practices. Journal of the American Medical Informatics Association 1997;4:73-76.

Ye Y, Jiang Z, Diao X., et al. An ontology-based hierarchical semantic modeling approach to clinical pathway workflows. Computers in Biology and Medicine 2009;39:722-732.

Ball MJ. An overview of total medical information systems. Methods of Information in Medicine 1971;10:73-82.

Vanhaecht K. The impact of clinical pathways on the organization of care processes [dissertation]. Leuven, KU Leuven, 2007.

Blaser R, Schnabel M, Biber C, et al. Improving pathway compliance and clincian performance by using information technology. International Journal of Medical Informatics 2007;76:151-156.

Pace KB, Sakulkoo S, Hoffart N, et al. Barriers to successful implementation of a clinical pathway for CHF. Journal for Healthcare Quality 2002;24:32-38

F. Caron, J. Vanthienen, and B. Baesens, “Healthcare Analytics: Examining the Diagnosis–treatment Cycle,” Procedia Technol., vol. 9, pp. 996–1004, 2013.