Hospitais e Clínicas

Mapa cirúrgico: como garantir o cumprimento pleno desse programa 

27 de Abril de 2022

• Tempo de leitura: 10 min

Voltar

A jornada do paciente cirúrgico começa muito antes do ato da cirurgia. Para que os procedimentos aconteçam de forma que mantenham a segurança do paciente e sua experiência positiva com as instituições de saúde, diversos processos se fazem necessários. Ter um entendimento e cumprimento pleno do mapa cirúrgico, nessa circunstância, faz toda a diferença.  

Muito antes do paciente deitar em uma maca e entrar no centro cirúrgico, a jornada cirúrgica inicia no pedido de realização do procedimento, a cotação de materiais que serão usados, a autorização de cirurgia, e, finalmente, a internação para a realização desse atendimento. Qualquer problema em um desses momentos impacta na cadência das atividades, gerando grande desgaste para o paciente e para a equipe. 

No entanto, um processo errado não implica somente na quebra da boa experiência do paciente e dos profissionais, mas também em questões financeiras dentro das instituições de saúde. Por isso, nesse artigo, vamos explicar a você como é possível melhorar a gestão do mapa cirúrgico com o auxílio da tecnologia de Process Mining, permitindo um atendimento mais seguro ao paciente e rentável à instituição de saúde. Siga a leitura! 

New call-to-action

O que é o mapa cirúrgico?  

O mapa cirúrgico é um relatório de definição de todos os agentes que englobam um procedimento cirúrgico: quem são os profissionais que realizarão, datas e horários, informações do paciente, local da cirurgia, recursos utilizados, equipamentos necessários e todas as outras informações relevantes que garantirão o atendimento mais correto ao paciente.  

Para que esse relatório seja feito com precisão, primeiramente é preciso que as equipes estabeleçam uma rotina e compreendam cada etapa da jornada cirúrgica, criando mecanismos de identificação, além de manter uma harmonia entre setores, médicos, operadoras de saúde, entre outros agentes envolvidos.  

Bate-mapa: o início de tudo 

Tudo começa com a reunião de bate-mapa. Para cumprir a programação cirúrgica e garantir o seguimento do mapa cirúrgico, primeiro é necessário compreender a utilização de recursos de maneira que nada falte durante o atendimento ao paciente, as implicações da cirurgia naquele caso específico e outros pontos cruciais para que se possa ter, tanto para o paciente, quanto para a equipe, uma cirurgia tranquila, segura e com resultados positivos.  

Para isso, o time assistencial realiza uma reunião de alinhamento 24 horas antes do procedimento cirúrgico. Nela, uma equipe multidisciplinar analisa as informações do paciente e debate os principais pontos para a realização ou não daquela cirurgia. São avaliados a autorização feita com o médico, os instrumentos necessários para o atendimento, entre outros pontos.  

Essa tarefa é crucial no funcionamento do centro cirúrgico, já que as definições da equipe implicarão em mudanças de agendamento, uso de salas e em toda a programação da agenda hospitalar, caso o procedimento precise ser cancelado. Assim, o time multidisciplinar verifica o mapa cirúrgico e analisa informações, esclarece dúvidas e toma decisões a partir do entendimento da necessidade daquele usuário.  

UpFlux

Process Mining no auxílio ao cumprimento do mapa cirúrgico  

A tecnologia de Process Mining, nesse sentido, pode ser uma grande aliada no cumprimento do mapa cirúrgico dentro das organizações de saúde. Gerir horários, documentações e garantir uma rotina correta dos atendimentos pode ser complexo, já que muitos processos são avaliados manualmente.  

A inteligência de processos ajuda a organizar etapas importantes de cada momento do mapa cirúrgico, estabelecendo regras para que todo fluxo necessário seja seguido e cumprido, a fim de garantir a jornada do paciente cirúrgico da maneira mais correta possível.  

De forma prática e simplificada, o kanban disponível na solução de Process Mining da UpFlux auxilia no controle do bate-mapa, de forma proativa, analisando cirurgias daquele dia e dos dias seguintes, alertando os profissionais sobre impeditivos que podem causar a não realização desse procedimento.  

Com um entendimento facilitado, a plataforma mostra em verde os processos do mapa cirúrgico que estão de acordo com a rotina hospitalar, e em vermelho aqueles que quebram as regras e precisam de uma atenção maior da equipe assistencial.  

Viasulização do Kanban no bate mapa

Isso pode acontecer em casos onde, por exemplo, a equipe estima uma quantidade de equipamentos, instrumentos e recursos para aquele procedimento e alguns dias antes (ou no mesmo dia!) ele ainda não está de acordo com o necessário. Ou ainda, se a sala adequada para fazer aquele procedimento está ocupada com outra cirurgia, entre outros tantos desafios que as equipes enfrentam diariamente.  

A partir daí, a solução comunica o responsável por essa quebra no fluxo do mapa cirúrgico, permitindo a criação de soluções que resolvam esse problema a tempo de realizar o procedimento e garantir o cuidado ao paciente, bem como manter sua experiência positiva com a organização.  

O que se ganha com isso?  

Um processo descoordenado do bate-mapa e, consequentemente, a falta de entendimento sobre o mapa cirúrgico, implicam no uso de recursos humanos destinados a resolver problemas que poderiam ser facilmente solucionados com o auxílio de tecnologia. 

De maneira resumida, a gestão de processos operacionais, e as análises e correções feitas em tempo real, auxiliam na solução de problemas recorrentes na jornada cirúrgica. É muito comum dentro dos centros cirúrgicos encontram situações como:  

  • Divergência na ocupação de salas;  
  • Falhas em autorizações por parte da operadora de saúde;  
  • Falha na organização dos materiais necessários;  
  • Falta de controle sobre documentações;  
  • Cancelamentos, atrasos ou tempo de procedimento acima do estimado;  
  • Grande variabilidade no uso de recursos;  
  • Entre outros.  

Isso tudo implica em situações que causam o baixo volume de cirurgias realizadas, atrasos nas cotações, insatisfação do paciente e do profissional, aumento dos custos da cirurgia, diminuição da capacidade instalada, aumento do tempo de permanência e redução do faturamento.  

Assim, a tecnologia de Process Mining chega nesse âmbito para simplificar processos e garantir que todos estejam na mesma página sobre as necessidades do paciente e as implicações de uma cirurgia naquele momento, entendendo ponto a ponto para que o mapa cirúrgico seja plenamente cumprido e permitindo que o melhor atendimento seja realizado. 

 Ao final do dia, a organização neste âmbito resulta em: 

  • Um melhor ambiente organizacional e maior produtividade;  
  • Aumento da rotatividade do centro cirúrgico;  
  • Aumento dos resultados financeiros;  
  • Redução do tempo de permanência do paciente dentro da organização;  
  • Redução de perdas financeiras e de tempo dentro do processo;  
  • Entre outros pontos positivos.  

Veja o processo na prática 

Durante o Process Mining Day: Saúde em Foco, a Healthcare Business Analyst da UpFlux, Bruna Zanotto, falou sobre como a organização do mapa cirúrgico auxilia as instituições a garantirem procedimentos muito mais seguros para os pacientes e produtivos e rentáveis para as organizações de saúde. Assista ao vídeo.  

Para saber mais sobre o uso de Process Mining aplicado ao mapa cirúrgico, fale agora com um dos nossos especialistas.

New call-to-action


Postagens Relacionadas