Lives

Live | 23/09 – O impacto dos pacientes hiperutilizadores em serviços de Pronto Atendimento

23 de Setembro de 2020

• Tempo de leitura:

Voltar

O que pode ser feito para reduzir a frequência de uso dos hiperutilizadores nos serviços de urgência e emergência hospitalares?

Estudos apontam um crescente aumento de demanda por atendimento de urgência e emergência.

As causas que levam a esta crescente são: utilização inapropriada por desconhecimento do paciente, paciente com histórico positivo para depressão, vulnerabilidade socioeconômica…

Quais são os impactos deste fato em termos de custo e risco para o sistema de saúde?

Os departamentos de emergência não são clínicas de atendimento primário, mas alguns pacientes as utilizam desta forma.

Uma minoria de pacientes consome uma quantidade desproporcional de cuidados de saúde, especialmente no departamento de emergência.

Outro problema é que a eficiência dos cuidados não é proporcional aos custos gerados nos serviços de pronto atendimento.

Vemos ainda que o cuidado prestado ao paciente não é compatível entre os recursos utilizados e a gravidade do caso clínico. As justificativas são inúmeras, tomada de decisão em curto tempo, formação médica e modelos de remuneração.

No entanto, estratégias para entregar mais valor ao paciente por meio de cuidado centrado, segurança assistencial e eficiência operacional passam obrigatoriamente por metodologias ágeis e transformação digital.

Hoje vamos bater um papo com Roger Waters Santos e entender como podemos aprimorar os cuidados no serviço de emergência por meio de modelo de gestão e o uso de tecnologias.


Outras Postagens

Comece agora a otimizar seus processos.

Solicitar Trial