Instituições de saúde

4 maneiras de melhorar o giro de leitos com mineração de processos 

4 de Maio de 2022

• Tempo de leitura:

Voltar

A falta de leitos hospitalares é uma forte realidade no Brasil. Com frequência os jornais mostram corredores cheios de pessoas à espera de um leito hospitalar e de um atendimento adequado. Essa falta diz muito sobre a eficiência da gestão hospitalar. No entanto, aos poucos, com o auxílio da tecnologia, os hospitais têm mudado essa realidade.  

Por isso, a dinâmica de giro de leitos é, sem dúvidas, uma das mais essenciais no dia a dia dos hospitais. Ter uma boa taxa de giro de leitos significa ganhar produtividade e eficiência no tratamento aos pacientes, fazendo com que eles tenham um tempo de permanência adequado e melhorem sua experiência com a instituição.  

Nas próximas linhas desse artigo vamos falar sobre como você pode contar com a tecnologia de mineração de processos para melhorar esse cenário dentro da sua instituição. Para isso, listamos os quatro melhores caminhos a seguir. Acompanhe.  

Desafios no giro de leitos 

Os problemas relacionados ao giro de leitos de muitas organizações de saúde pode estar diretamente ligado à falta de controle sobre os recursos, falha na comunicação dentro da organização, e ao entendimento incorreto sobre os processos necessários para que o fluxo de atendimento seja seguido da maneira correta.  

Isso acontece de forma recorrente porque os profissionais, muitas vezes, não estão acostumados a trabalhar de maneira coordenada, e são guiados por processos fragmentados. Isso torna ainda mais complexo o entendimento da equipe sobre a jornada do paciente, não permitindo que o profissional analise oportunidades de alta ou outros aspectos que podem melhorar o giro de leitos.  

Isso prejudica a gestão de leitos, trazendo consequências:  

  • Permite que os pacientes excedam o seu tempo de permanência;  
  • Gera uma experiência negativa sobre o atendimento;  
  • Impacta diretamente no uso de tempo, recursos humanos e medicamentos, por exemplo;  
  • Impacta no cuidado ao paciente, já que o tempo prolongado de permanência pode causar algum tipo de infecção hospitalar, segundo a ANS

De forma resumida, entender de ponta a ponta a jornada do paciente dentro da instituição é uma necessidade não só para que o giro de leitos seja feito da forma correta, mas para que também o desfecho do cuidado ao paciente seja o melhor possível.  

Por que utilizar a mineração de processos?  

A necessidade de automatizar processos e tornar a jornada mais produtiva é uma realidade dentro das instituições e impacta diretamente no giro de leito. Process Mining, nesse contexto, colabora com a otimização dos fluxos hospitalares, descobrindo, monitorando e otimizando processos a partir da extração de informações disponíveis em softwares como CRMs, ERPs ou prontuários eletrônicos, por exemplo. Isso se aplica a diferentes processos dentro das instituições de saúde.  

Assim, a plataforma monitora a jornada do paciente, percebendo na prática as variabilidades e desvios. Da mesma maneira, a solução analisa a conformidade de cada etapa para saber onde estão os erros, permitindo que os profissionais atuem em tempo real para evitar problemas maiores no percurso.  

Ou seja, com a possibilidade de criação de regras, a plataforma informa se alguma dessas diretrizes determinadas for violada, emitindo alertas em vermelho. Já os processos em conformidade são facilmente visualizados em verde, evitando análises desnecessárias por parte dos profissionais.  

Depois, com base no que foi mapeado, a solução gera insights que serão transformados em melhoria contínua dos processos das instituições.  

De forma prática, a mineração de processos pode auxiliar na otimização do giro de leitos das instituições de diferentes maneiras. No tópico abaixo falaremos disso.  

4 maneiras de utilizar Process Mining no giro de leitos  

Como falamos anteriormente, a solução de process mining atua na descoberta, mapeamento e otimização de qualquer processo dentro das instituições de saúde. Para colaborar com a otimização do giro de leitos, essa solução pode ser aplicada em diferentes contextos.  

  1. Para reduzir o tempo de setup de sala e intervalo de substituição 

O tempo de limpeza e organização das salas, principalmente em centros cirúrgicos, determinam o intervalo de substituição entre um atendimento e outro. O tempo de setup de sala impacta diretamente no giro de leitos pois, se esse trabalho é feito corretamente, é capaz de reduzir custos operacionais, atrasos entre os procedimentos, garantir maior segurança ao paciente, reduzindo o risco de infecções.  

O tempo de setup bem executado determina a agilidade de todas as cirurgias do dia. Com os tempos corretos de entrada e saída de pacientes, seja em leitos normais ou cirúrgicos, o giro de leitos só tem a melhorar. 

A solução de Process Mining ajuda a controlar os tempos de entrada e saída dos pacientes, bem como verificar a conformidade de materiais, medicamentos e outros utensílios necessários para iniciar um procedimento da maneira correta, evitando intercorrências que podem atrasar esse processo.  

giro-de-leitos
  1. Para reduzir o tempo de permanência hospitalar 

O alto tempo de permanência hospitalar, além de ser um grave problema de gestão, pode causar danos à saúde do paciente, porque quanto maior o tempo de permanência de um paciente dentro do hospital, maiores as chances de um quadro de infecção hospitalar.   

Quando o tempo de permanência do paciente aumenta, pode significar que há grande variabilidade no tratamento, ou que alguns processos não estão sendo executados da maneira correta. Em ambos os casos a solução de Process Mining pode ser uma alternativa.  

Com ajuda da tecnologia, os hospitais conseguem monitorar a jornada do paciente, entendendo passo a passo sua trajetória e compreendendo as variabilidades do seu tratamento. Da mesma maneira, avaliando ponta a ponta o fluxo do paciente, a instituição consegue averiguar quais processos estão com falhas que podem prejudicar no tempo de alta do usuário do sistema, agindo em tempo real para reduzir esse período.  

  1. Para otimizar a taxa de ocupação 

Para melhorar a taxa de giro de leitos, primeiramente é preciso otimizar o número de cirurgias realizadas e o número de pacientes atendidos. Isso indica a capacidade instalada e a disponibilidade de leitos para admitir mais pacientes. Para os gestores, controlar a taxa de ocupação significa muitas coisas. Ter um número máximo de leitos ocupados significa que novos investimentos precisam ser feitos para que novos pacientes não fiquem em espera, ou que algum processo está falhando. 

Ao mesmo tempo, um número de ocupação muito baixo significa que unidades podem estar sendo mal aproveitadas e gerando um gasto desnecessário, o que também é um problema para o gestor hospitalar. Com a ajuda da mineração de processos esses cenários podem ser mapeados e entendidos para que sejam organizados e otimizados.  

  1. Para revelar desvios na jornada do paciente 

A jornada do paciente na retirada da senha para atendimento até o momento da sua alta. Nesse meio tempo muitas etapas acontecem e precisam ser monitoradas para que nenhum desvio aconteça e o tratamento do paciente ocorra com eficiência.  

Para que essa jornada tenha êxito, estabelecer processos e monitorá-los com auxílio da mineração de processos é a melhor maneira de solucionar desvios e gargalos. Como citamos anteriormente, a solução de Process Mining atua de forma ativa na monitoração de todas as etapas da jornada, emitindo alertas sobre a conformidade dos processos durante esse fluxo.  

A jornada do paciente na otimização do giro de leitos

De forma resumida, a solução de Process Mining possui diversas formas de uso de uma instituição de saúde, permitindo não só a melhoria do giro de leitos, mas também de outros processos necessários para o bom funcionamento do sistema de saúde. Fale agora com um especialista da UpFlux e saiba como podemos ajudar você.  

New call-to-action


Postagens Relacionadas