Hospitais e Clínicas

Gestor hospitalar: 4 tecnologias para potencializar seus resultados em 2022

11 de Novembro de 2021

• Tempo de leitura:

Voltar

Muito se fala sobre as competências do gestor hospitalar para o futuro e como ele deve acompanhar as tendências e as novas tecnologias que prometem aprimorar a gestão dos atendimentos, custos hospitalares e segurança do paciente. Mas como isso funciona na prática? Que tecnologias irão, de fato, impactar positivamente no dia a dia de um hospital, dando mais dinamicidade, clareza e segurança ao trabalho desenvolvido?

A verdade é que não existe uma regra. Atualmente o mercado dispõe de milhares de plataformas, tecnologias e ferramentas que podem garantir processos mais bem alinhados e seguros no trabalho de um gestor hospitalar. Nesse texto vamos mostrar algumas das principais tendências em tecnologia na saúde e porque elas devem estar no seu radar para tornar a gestão hospitalar ainda mais eficiente em 2022. Confira mais abaixo.

Desafios do gestor hospitalar  

Você sabe quais serão os desafios da gestão hospitalar em 2022? A UpFlux já apontou alguns dos principais problemas enfrentados pelos hospitais, que demandam mais atenção e cuidado por parte da gestão. Baixa ocupação de leitos, baixo volume de cirurgias, custos crescentes, alta variabilidade na jornada do paciente e uma gestão de tempo ineficiente são apenas alguns dos desafios encontrados diariamente em um hospital.

Uma organização hospitalar passa por todos esses desafios e outros ainda maiores. Isso significa que a responsabilidade de gerir esses problemas não pode estar atrelada apenas ao papel do gestor hospitalar, mas sim contar com ferramentas, tecnologias e plataformas que irão reduzir erros humanos e tornar o processo de trabalho ainda mais simplificado, seguro e qualificado.

Tecnologias para o gestor hospitalar em 2022

Tecnologias para o gestor hospitalar em 2022

Falar de tecnologia pode remeter a algo muito distante ou a um compilado de informações que só serão desvendadas pelos times de T.I das grandes empresas.  Mas não é por aí. A tecnologia se transforma a todo momento para impactar positivamente a vida de todos, e é pensada e repensada para que se torne cada vez mais simplificada para impactar o maior número de pessoas. Prova disso é um recente lançamento do Google para ajudar a detectar o câncer de pele através de inteligência artificial de forma ágil e acessível. 

A tecnologia na saúde é justamente sobre isso. Os hospitais têm ganhado, a cada dia, novos meios digitais de melhorarem seu trabalho, aumentando o conforto e a segurança ao paciente, e permitindo que o trabalho dos profissionais seja feito da forma mais ágil e eficiente possível e também auxiliando no papel do gestor hospitalar.  

A integração dos serviços com tecnologia impacta na melhoria do atendimento, benefícios na parte assistencial, otimização do trabalho, eficiência de processos e monitoração de parâmetros de qualidade. Por esse motivo, listamos algumas tecnologias, plataformas e tendências que serão essenciais para que o gestor hospitalar se destaque em sua atuação e conquiste maior credibilidade profissional em 2022.

Inteligência artificial em diagnósticos

A inteligência artificial tenta simular a mente humana, porém com um potencial incrível de análise e assimilação em um tempo recorde. Assim, plataformas fazem compilados enormes de dados, analisando padrões e detectando onde estão possíveis falhas.

Atualmente existem no mercado plataformas e ferramentas que auxiliam no desenvolvimento de diagnósticos inteligentes ao paciente. Esse tipo de ferramenta auxilia a equipe assistencial a reduzir incertezas diagnósticas, auxiliando redução de procedimentos desnecessários, entregando respostas mais concretas ao time que atende o paciente e otimizando o trabalho do gestor hospitalar. 

Plataformas que entregam esse tipo de serviço servem de apoio à tomada de decisão da equipe de atendimento, garantindo mais qualidade e bem-estar a quem é atendido. Em alguns casos, como nos diagnósticos oncológicos, essa análise é feita através de biologia molecular ligada à inteligência artificial, que faz uma análise sofisticada para não deixar dúvidas sobre a situação do paciente.  

Alguns anos atrás a revista Nature Medicine publicou um estudo sobre como a inteligência artificial conseguia diagnosticar de forma mais precisa doenças pediátricas. A taxa de precisão chegava entre 90% a 97%. Com resultados mais precisos, um tratamento mais adequado é dado ao paciente e as chances de cura são maiores.

Telemedicina e teleconsultas 

A telemedicina monitora pacientes, troca informações médicas e faz análise de resultados de diferentes exames através de tecnologia. Toda entrega é feita de forma digital, sendo um suporte à medicina tradicional. Nesse quesito, as tecnologias de informação agregam agilidade na troca de informações e conhecimentos, garantindo mais precisão a todo o processo.  

Já as teleconsultas, com a pandemia de Covid-19, ganharam um espaço muito grande nos atendimentos médicos. E a tendência é que esse padrão siga daqui para a frente. Uma matéria da Folha de São Paulo, em 2019, antes da chegada do coronavírus, mostrou que 80% dos médicos que atuavam em São Paulo na época já usavam aplicativos de mensagem para falar com seus pacientes. 

Passados quase 3 anos, a tecnologia evoluiu muito nesse sentido e já é possível ter um atendimento muito mais completo feito de forma remota. Ao paciente, permite que ele tenha atendimento com o médico que já acompanha seu caso, com a emissão de laudo feito a distância para agilizar o processo.  

Como medida para melhorar o trabalho do gestor hospitalar, as teleconsultas podem ser uma triagem para desafogar unidades que contam com muitos atendimentos e como uma medida mais eficiente para coletar dados e informações automaticamente do paciente, agregando mais segurança à informação coletada.

Internet das coisas (IoT)

IoT, ou Internet das Coisas, se refere à conexão digital de objetos que usamos cotidianamente com a internet. Explicando de forma básica, o IoT faz uma integração entre dispositivos e uma rede de comunicação para troca de dados. Na medicina, esses dispositivos se integram e enviam dados do paciente de forma automática, sem interferência humana. Para melhorar a atuação do time assistencial e o trabalho do gestor hospitalar, contar com ferramentas que falam esse papel é crucial.

Atualmente é possível monitorar batimentos cardíacos, glicose, temperatura, crises de asma, humor, entre outras informações do paciente, apenas com um aparelho como um relógio ou um adesivo digital colado à pele. Isso facilita o controle de informações importantes e gera relatórios automáticos à equipe assistencial para reduzir as variabilidades de um tratamento.  

Durante o último ano, a internet das coisas foi muito importante no monitoramento de produção, transporte e armazenamento das vacinas contra a Covid-19. Conectando aparelhos e fazendo o levantamento correto das informações que foi possível armazenar no tempo e temperatura correta as vacinas dentro dos hospitais, bem como fazer um transporte seguro, garantindo sua eficácia.

Inteligência de Process Mining

Depois que toda jornada digital de um hospital estiver estabelecida e automatizada, será necessário monitorar todos os processos. Contar com ferramentas é importante e, mais necessário do que isso, é avaliar o andamento dos fluxos com o uso de cada item. Para colher resultados mais positivos no futuro, o cuidado com a conformidade de processos pode ser a alavanca pra potencializar o papel do gestor hospitalar nesse cenário.

Descobrir, monitorar e melhorar processos reais: a tecnologia de Process Mining, ou mineração de processos, tem esse papel. Você sabia que é possível extrair conhecimento a partir de dados de fluxos hospitalares e eventos mapeados pelos softwares que uma unidade de saúde já utiliza?

Depois dessa extração de dados de prontuários eletrônicos e ERPs, a plataforma apresenta, de forma automática, o mapeamento total de jornadas, fazendo registros e insights sobre as operações. Dessa forma é possível visualizar de ponta a ponta os fluxos de uma organização.

Na prática, a tecnologia de Process Mining pode auxiliar, entre entre outros objetivos, na visualização da jornada do paciente, onde estão seus pontos críticos e desvios e quais pacientes não estão seguindo o tratamento corretamente. Ou ainda monitorar a variabilidade entre cirurgias similares, para que a equipe assistencial entenda onde cada paciente sofreu seu desvio, por exemplo.

Gestor hospitalar: como potencializar resultados com Process Mining

Diferentemente de um BI (Business Inteligence), Process Mining faz uma verificação muito mais ampla sobre os níveis de análise, o que gera resultados e recomendações mais precisas para quem utiliza esse tipo de inteligência. Fazendo um trabalho que uma plataforma de BI não faz, Process Mining aponta a causa raiz dos problemas ou onde houve uma não conformidade em processos. Isso impacta diretamente na obtenção de informações por parte do time assistencial e também otimizando a atuação do gestor hospitalar.

Comece agora a mudança para 2022  

Como gestor hospitalar é seu papel levar qualidade à equipe assistencial e pensar em soluções que trarão mais eficiência e qualidade ao tratamento de pacientes. Para começar uma mudança real em 2022, conte com a UpFlux.

A UpFlux atua como um software como serviço, transformando dados em conhecimento para aprimorar a eficiência dos serviços hospitalares. Quer saber como aplicar soluções de Process Mining na sua instituição e potencializar seu papel como gestor hospitalar? Fale agora com um especialista e saiba como começar.


Postagens Relacionadas