Hospitais e Clínicas

Cirurgia Segura: as 6 metas de Segurança do Paciente

8 de Outubro de 2020

• Tempo de leitura:

Voltar

Você já ouviu falar sobre Cirurgia Segura? A Cirurgia Segura consiste em um conjunto de regras que tem como objetivo garantir a segurança do paciente durante intervenções cirúrgicas. Ela é um dos pontos determinados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em parceria com a Joint Commission International (JCI) para que fossem criadas regras de conduta para a segurança do paciente que estão estabelecidas na grande parte dos serviços de saúde. 

Segundo os dados do Observatório 2020 da ANAHP, nos 122 hospitais membros, foram realizadas exatas 1.926.716 cirurgias em 2019. Já dados do SUS do mesmo ano mostram que 2.668.265 procedimentos eletivos foram realizados. Somados, são mais de 4,5 milhões de procedimentos eletivos só no ano de 2019. 

Os dados da pesquisa mostram uma mortalidade operatória geral de 0,30% e taxa de infecções em cirurgia limpa de 0,46%. A ocorrência de eventos adversos devido à assistência insegura é provavelmente uma das 10 principais causas de morte e invalidez no mundo. Estes números indicam a importância da conscientização a respeito da Cirurgia Segura. 

Diante de números como esses, foram estabelecidas as 6 metas internacionais de segurança do paciente que guiam a prática cirúrgica e visam garantir o seguimento correto do protocolo de atendimento. Veja abaixo quais são essas metas.

Leia também nosso conteúdo “Centros cirúrgicos: como otimizar sua eficiência com Process Mining”

O que representa cada uma das metas 

As 6 metas internacionais de segurança do paciente

Identificar o paciente corretamente  

Tudo começa na identificação do paciente, com seu nome e data de nascimento. Esses são os dados básicos para a identificação correta. Esse processo visa evitar que o paciente errado seja medicado ou passe por um procedimento sem necessidade, gerando complicações graves. Essa meta também impacta na experiência do paciente, pois permite que ele não precise repetir constantemente sobre seu quadro clínico e informações pessoais.  

Eficácia da comunicação 

A comunicação é a base de um bom tratamento. É a partir desse entendimento entre médico e paciente, através da comunicação, que o especialista poderá entender as queixas, sintomas e todo processo da doença do paciente. A comunicação entre a equipe também é essencial, já que toda operação deve ser entendida de forma clara e objetiva, avaliando todos os pontos e dados do processo de atendimento. 

Segurança dos medicamentos de alta vigilância 

Evitar erros na hora de utilizar medicamentos é um dos pontos essenciais na segurança do paciente. Esse tipo de erro pode ter consequências graves e ser uma ameaça à vida de quem necessita de cuidados. Por padrão, deve-se seguir alguns pontos: paciente certo, medicamento certo, dose certa, via de administração certa e horário certo.  Além disso, é necessário entender questões como alergias, interações medicamentosas, idade, peso, etc.  

Cirurgia segura 

Falaremos mais profundamente sobre esse ponto a seguir. Mas é importante ressaltar que nesse quesito é essencial avaliar todo o processo cirúrgico para evitar riscos, antes durante e depois do procedimento. Realizar os passos já descritos acima e também fazer a marcação do local da cirurgia, ter acesso a equipamentos necessários e confirmar se todos os materiais necessários estão disponíveis. Esse tipo de conduta gera tranquilidade ao paciente e confiança ao profissional que irá executar o trabalho.  

Reduzir o risco de infecções

O risco de contaminação em procedimentos é um dos grandes desafios das instituições de saúde. Para reduzir os problemas ligados a isso as organizações tomam um cuidado simples que pode salvar vidas: a higienização adequada das mãos. São essenciais nesse ponto: lavar as mãos antes de tocar no paciente, antes de realizar um procedimento cirúrgico, após contato com fluidos corporais e após contato com roupas de cama, móveis ou outros objetos utilizados por ele.  

Cirurgia segura: a higienização como protocolo para segurança do paciente

Reduzir o risco de quedas 

Uma queda durante o atendimento pode ter consequências graves. Por esse motivo é feita a classificação do risco de queda: idade avançada, doenças ou medicamentos que afetam a mobilidade. A partir disso o hospital oferece móveis, barras de apoio ou outras adaptações para que o paciente reduza as chances de sofrer um acidente.  

Por dentro da meta 4: cirurgia segura

Uma das 6 metas internacionais de segurança do paciente é a cirurgia segura. A finalidade deste protocolo é determinar as medidas a serem implantadas para reduzir a ocorrência de incidentes e eventos adversos e a mortalidade cirúrgica, possibilitando o aumento da segurança na realização de procedimentos cirúrgicos, no local correto e no paciente correto, por meio do uso da Lista de Verificação de Cirurgia Segura desenvolvida pela Organização Mundial da Saúde.

Outro importante projeto é o ACERTO (Aceleração da Recuperação Total pós-operatória). Neste protocolo diversos cuidados orientados por evidências clínicas são implementados para segurança e eficiência dos cuidados. No estudo “Cuidados perioperatórios em cirurgia bariátrica no contexto do projeto ACERTO: realidade e o imaginário de cirurgiões em um hospital de Cuiabá” são avaliados os cuidados perioperatórios em cirurgia bariátrica.

O objetivo do estudo foi avaliar o conhecimento e o grau de recomendação de cirurgiões em cirurgia bariátrica quanto aos cuidados orientados pelo projeto ACERTO, garantindo a Cirurgia Segura.

Dentre os cuidados analisados, foram apontados: jejum pré-operatório, realimentação precoce, hidratação venosa perioperatória, antibioticoprofilaxia, uso de sondas e drenos, analgesia e profilaxia de náuseas e vômitos. Em resumo, foi possível avaliar o imaginário x realidade das melhores práticas assistenciais para a cirurgia bariátrica entre 07 cirurgiões e 200 prontuários analisados.

A conclusão foi que o projeto ACERTO para pacientes de cirurgia bariátrica foi bem praticado pelos cirurgiões, entregando segurança e eficiência aos cuidados. No entanto, como manter o monitoramento e o aprimoramento dos resultados de forma contínua a partir dos marcadores da meta de cirurgia segura e do protocolo ACERTO?

Como avaliar o desempenho da Cirurgia Segura?

A mineração de processos é uma tecnologia que permite o mapeamento automático, controle e a implementação de melhoria contínua. Reconhecimento de padrões, eliminação de desperdícios e redução de variabilidade são alguns dos resultados alcançados por meio da mineração de processos.

A tecnologia da UpFlux é a solução de mineração de processos somada à inteligência artificial centrada em serviços de saúde. Plataforma analítica facilmente integrada a qualquer sistema de registro em saúde que permite a extração simples e ágil de todos os dados de forma organizada para aprimoramento do conhecimento e tomada de decisão.

Estruturada a partir de um time transdisciplinar formado  por médicos, cientistas de dados, enfermeiros e outros profissionais aptos e comprometidos com a qualidade e eficiência dos cuidados em saúde, a UpFlux segue os mais rígidos protocolos de segurança da informação e todos os princípios da LGPD aplicados a segurança dos dados.

Fale com um especialista e saiba como podemos ajudar seu centro cirúrgico a garantir mais segurança nos procedimentos.


Postagens Relacionadas