Instituições de saúde

Os desafios do bate mapa: como mitigá-los?

22 de Junho de 2022

• Tempo de leitura: 5 min

Voltar

Artigo escrito por Tawany Paixão Brito

Quando iniciei minha carreira como enfermeira, buscando as minhas áreas afins, os colegas comentavam: “fuja de centro cirúrgico”. Diziam ser estressante e imprevisível. E alguns anos depois, lá estava eu, como enfermeira do Centro Cirúrgico do maior hospital do meu estado. De fato, os desafios eram inúmeros, e começavam antes mesmo do paciente chegar ao hospital. Quem já vivenciou um bate mapa entende bem. 

Conversando com outros enfermeiros, percebo que as dificuldades são parecidas em qualquer região do país: Cirurgias canceladas, atrasadas ou adiadas pelos mais diversos motivos, que vendo de fora, parecem banais. Por exemplo, no pedido de cirurgia não constar reserva de UTI, e já com paciente em sala, descobrir que ela era necessária, mas que não há vaga naquele dia.

Ou mesmo, perceber no bate mapa, às vésperas do procedimento, que a autorização do OPME não foi concedida, que o único arco cirúrgico já está sendo utilizado em outra cirurgia naquele momento, que o instrumental cirúrgico necessário não foi esterilizado a tempo, que a reserva de sangue não foi comunicada ao setor responsável, que o material especial solicitado não chegou ainda, dentre tantas outas descobertas que acontecem em cima da hora, seja no bate mapa, ou com paciente em mesa operatória. 

É sempre bom lembrar que todas essas situações repercutem, claro, no financeiro do hospital, que diminui giro de sala e de leito, reduz faturamento previsto, baixa nível de satisfação do usuário, compromete metas, indicadores e cronogramas, mas além disso, impacta diretamente em um ser humano que estava ali, vulnerável, aguardando um procedimento cirúrgico, muitas vezes com medo e com absoluta sensação de impotência, com todo seu planejamento ser desfeito por algo que poderia ter sido evitado.

New call-to-action

Como superar os desafios do bate mapa?

bate mapa com auxílio de tecnologia

Quando ocorrem esses cancelamentos, adiamentos ou atrasos, é frustrante para equipe, oneroso para o hospital, e desconfortável para o paciente. O bate mapa, que é o ato de fazer as conferências prévias, de fato pode auxiliar a prever algumas das situações citadas, mas normalmente, por ser feito mais em cima da hora, não há tempo hábil para tomada de ação. 

O ideal, recomendo aos colegas enfermeiros, seria um acompanhamento sistematizado e contínuo ocorrendo desde o momento da solicitação da autorização e da agenda. Com conferência antecipada dos pedidos de reserva de leito, de equipamentos, materiais, hemocomponentes, assim como do andamento das autorizações e liberações. 

Com isso, o bate mapa deixaria de ser uma ação feita em “fim de esteira” e passaria a ser um processo contínuo de acompanhamento e análise de conformidade, possibilitando previsibilidade, tomada de ação em tempo hábil, e consequentemente redução de cancelamentos, aumento da rotatividade cirúrgica, crescimento de receita, e maior segurança e satisfação do paciente

Caso queira conhecer mais sobre jornada cirúrgica, e como transformar seu bate mapa para maior eficiência do processo e acompanhamento contínuo, clique no banner ao lado.

New call-to-action
UpFlux

Por Tawany Paixão Brito

Enfermeira e Analista de Sucesso do Cliente na UpFlux Process Mining

Graduada em Enfermagem, Tawany tem Pós-Graduação em Gestão e Auditoria em Serviços de Saúde, Pós-Graduação em Enfermagem do Trabalho e Pós-Graduação em Enfermagem Ginecológica e Obstétrica, Enfermagem Obstétrica. Na UpFlux, é responsável por conduzir o cliente durante todo o processo de implantação, dando visibilidade de prazos e etapas, e ministrando treinamentos. Assim, leva oportunidades de melhorias com a Mineração de Processos para hospitais e clínicas de todo país.


Postagens Relacionadas